sexta-feira, 21 de abril de 2017

Gaby - Parte 3: Vaca leiteira e cadela no cio (zoofilia)

Depois te ter ido embora para o interior, meu coração estava partido, queria voltar para o Leo. Minha vó foi me xingando a viagem toda e chegando ao destino, fomos direto à escola onde eu ficaria nos próximos 2 anos. conheci a diretora com minha avó e lá fui abandonada. Uma das funcionárias me encaminhou até meu quarto, entrei e fui deitar brava com o mundo e cansada da viagem, no meu quarto também tinha outra menina, ela chorava demais, perguntei o motivo e ela disse que vivia quase o mesmo drama, a família não ligava para ela e ela tinha acabado de ser internada ali também, embora fosse comportada, mas eu não estava muito a fim de conversa e fui dormir...

Depois de algumas horas ouço um barulho na porta e acordo. Pela janela eu via que ainda era de madrugada e a minha companheira de quarto parecia assustada, então eu levantei e fui atender a porta. Era um grupo de meninas da nossa idade, entraram no nosso quarto me empurrando e me segurando.
-Escutem, novatas! Teremos um ritual de iniciação com vocês, se não se comportarem vão sofrer as consequências. Quais seus nomes?
-Gabriela. - Respondi.
-Isabela. - Disse minha colega de quarto.
-Ótimo, me sigam! - Ordenou ela, e obedecemos apesar do sono.
Ao chegar no corredor havia outra menina nervosa e aparentemente na mesma situação que eu e a Isabela, então a líder da meninas disse:
-Meninas, preparem elas...
As outras meninas vieram para cima de nós e colocaram panos em cima de nossas cabeças, cobrindo nossa visão. Depois começaram a puxar nossas roupas e rasgar elas com as mãos e com tesouras.
-Sai daqui! Vocês estão loucas? - Gritei.
-Cala a boca! Vai ser pior se vocês lutarem... Além disso é proibido roupas que não sejam do uniforme aqui na escola, não vão mais precisar dessas roupas...
Sem escolhas eu simplesmente deixei que me despissem, só ouvia o choro da Isabela que também ficou com medo de brigar e ter que enfrentar algo pior. Havia uma terceira novata que ofegava, provavelmente na mesma situação que a gente.